De Hollywood a Bollywood: Como eu acabei virando ator na Índia

Muitos me perguntam como eu acabei trabalhando em Bollywood – hoje eu vou contar a história!

Vivi vários anos em Los Angeles; a indústria de Hollywood parece permear quase tudo lá.  Em muitos cantos da cidade, quem senta em qualquer café ou restaurante provavelmente vai ouvir o papo de diretores, produtores, e outros profissionais de cinema nas outras mesas.  O garçom vai ser um “ator” (trabalhando lá só até ganhar aquele papel que vai abrir todas as portas para a carreira dele no cinema) – ou talvez um “roteirista” (esperando algum dia atender a mesa de um grande produtor para poder lhe dar o roteiro que ele acaba de escrever).  Sempre tem placas amarelas nas ruas mostrando o caminho às equipes para os seus lugares de filmagem.  A pessoa se acostuma a ver atores super-famosos andando pelas ruas da cidade.  Eu vi tudo isso ao meu redor, mas nunca senti vontade de fazer parte daquele mundo.

Alguns anos depois, eu estava em Mumbai – aparecendo em novelas e filmes, batendo papo com grandes atores do cinema indiano, discutindo com agentes sobre as porcentagens das comissões deles, fazendo audições, passando dias inteiros em camarins esperando filmar minhas cenas, e vivendo tudo que faz parte da vida de um ator.  Como foi que aconteceu tudo isso???

Shuddh Desi Romance

Com Sushant Singh Rajput no filme ‘Shuddh Desi Romance’

O meu caminho para as Índias…

A história começa em 2006, quando meu chefe na Califórnia me mandou para a Índia pela primeira vez.  Fui trabalhar na filial indiana da empresa, na cidade de Ahmedabad, morando no apartamento que a empresa tinha alugado lá.  Acabei dividindo meu tempo entre Califórnia e a Índia entre 2006 e 2008.  Mas essa experiência é outra longa história; talvez conto os detalhes outro dia.

Deixei o trabalho em março de 2008 e, logo depois, saí mochilando pelo mundo.  Quase 2,5 anos depois de partir nessas viagens longas, eu estava pronto para dar uma pausa e permanecer uns 5-6 meses em um lugar.  Queria um pouquinho de estabilidade por um tempo.  Queria fazer umas aulas, o que eu não podia fazer nos anos anteriores – nem quando eu estava viajando sem parar, nem quando eu ficava indo e voltando entre Los Angeles e Ahmedabad cada 1-2 meses.

Onde eu ia passar esse tempo?  A Índia foi a escolha óbvia.  Eu já tinha passado muito tempo morando lá, já tinha amigos lá, já estava confortável vivendo dentro da cultura indiana, já falava hindi a um bom nível intermediário, etc.  E o fato que o custo de vida na Índia é barato ajudou também, pois naquela época a minha poupança já ia diminuindo!

A minha primeira visita a Mumbai tinha sido durante um fim de semana em 2007.  Mas foi só em 2009 que consegui conhecer a cidade um pouco melhor, fazendo várias amizades durante umas semanas divertidas na cidade.  Eu tinha gostado do tempo que tinha passado em Ahmedabad, e também dos dois meses que tinha passado em Nova Délhi em 2009, mas a cidade de Mumbai tem uma certa energia que sempre tinha me atraído.  Cheguei lá de novo no final de outubro de 2010, aluguei um apartamento, e me inscrevi em umas aulas.

Aprendendo a atuar

Eu tinha aulas de yoga três dias por semana de madrugada.  Nas tardes eu tinha aulas de dança ou de tabla, um instrumento tradicional indiano de percussão.  E as noites, durante um mês, eu tinha aulas de atuação.

Não tinha a intenção de procurar trabalho como ator (nem como dançarino ou percussionista!)  Mas um amigo meu da Califórnia, que trabalhava com finanças, tinha feito aulas de atuação lá em Los Angeles e tinha gostado muito; ele sempre falou que tinha aprendido muito e que eu deveria fazer.  Tem muitas escolas de atuação em Mumbai – gente do país inteiro chega à cidade todo dia seguindo o sonho de trabalhar como ator em Bollywood.  Uma escola específica chamou a minha atenção e eu decidi me inscrever – pensando simplesmente que ia ser divertido e que provavelmente eu ia aprender alguma coisa!

A escola que eu escolhi era de um ator famoso de Bollywood, Anupam Kher.  Quem assiste filmes de Bollywood reconhece sem dúvida, pois ele já apareceu em mais de 100 filmes nos últimos 30 anos – inclusive alguns dos filmes mais célebres de Bollywood, como Dilwale Dulhania Le Jayenge e Kuch Kuch Hota Hai.  Além disso, ele é um dos únicos atores de Bollywood que também aparece em filmes internacionais, como O Lado Bom da Vida (indicado para o Oscar de Melhor Filme em 2012).

com Anupam Kher, Actor Prepares

Com Anupam Kher e outros ex-alunos da escola Actor Prepares

Eu já tinha visto dezenas de filmes de Bollywood, inclusive vários com ele – aí pensei que ia ser bacana estudar na escola dele (chamado Actor Prepares).  A escola oferece cursos intensivos mais longos, mas o preço para o curso de um mês era razoável.  Eu tinha 2 horas de aula por noite, 5 dias por semana, durante o mês de janeiro – 40 horas em total.  Tinha vários professores diferentes, e até o Anupam Kher veio pessoalmente dar aula para nós algumas vezes.

Era um grupo diverso de vinte alunos – treze meninos e sete meninas.  Alguns estavam lá para seguir o sonho de virar estrela de Bollywood.  Alguns já tinham atuado antes em Bollywood e estavam fazendo o curso para melhorar as competências.  Algumas eram modelos, querendo utilizar as aulas para lançar carreiras no cinema – ou apenas para “se abrir” mais.  E tinha até alguns outros alunos como eu – simplesmente querendo aprender alguma coisa e se divertir um pouco.

As lições eram principalmente em hindi (talvez 75%), com bastante inglês intercalado.  Mas os monólogos que tínhamos que apresentar eram todos em hindi – felizmente, o meu nível de hindi já era suficientemente bom para interpretar os vários papéis.  De fato, as minhas interpretações eram bastante elogiadas pelos professores e pelos outros alunos – acho que ninguém estava esperando muito do estrangeiro!

Todos os outros alunos no curso eram indianos – mas na verdade, duas das meninas eram “estrangeiras”.  Quer dizer, eram de descendência indiana, mas nascidas e criadas em outros países.  Uma delas era a Akanksha – nascida e criada na Quênia, em uma família indiana panjabi que mora na África desde faz umas gerações.

Como a comunidade indiana lá na Quênia ainda é muito ligada à cultura e às tradições da sua terra ancestral, a Akanksha cresceu em um ambiente meio “indiano” – com comida indiana, filmes de Bollywood, e as línguas panjabi e hindi ao seu redor.  Depois de se formar numa universidade na África do Sul, ela se mudou para a Índia para tentar fazer uma carreira em Bollywood.

A Akanksha seguia as chamadas de casting, já procurando audições.  Um dia ela me ligou, dizendo que uma das novelas mais populares no país estava procurando atores brancos para interpretar papéis de oficiais britânicos da época colonial.  “Você deve ligar!” ela disse.

“Me manda o seu portfólio!”

Bom, parecia interessante!  Eu não ia procurar trabalho como ator, mas pensei, Se uma oportunidade cair do céu, pode ser uma experiência legal!  Então, eu entrei em contato com a mulher que tinha colocado o anúncio, uma certa Nisha, e disse que estava estudando na escola do Anupam Kher e tinha interesse no papel.

Cada ator em Bollywood (suponho que em qualquer outro lugar também!) tem um portfólio de fotos profissionais – sem isso, é quase sempre impossível ganhar trabalho.  E uma das primeiras coisas que a Nisha disse era – “Me manda o seu portfólio!”

Eu, claro, não tinha portfólio – e ela queria as minhas fotos antes do final do dia!  Naquela época, eu nem tinha câmera no celular; as únicas fotos que eu tinha eram umas que amigos e companheiros de viagem tinham me mandado para poder colocar no Facebook.

Deve ter sido difícil achar atores brancos para estes papéis, pois a Nisha decidiu simplesmente pegar umas daquelas fotos do meu Facebook para mandar à diretora de casting da novela – e essa diretora de casting, Janet, decidiu me chamar para uma audição!

O nome da novela era Jhansi ki Rani.  Contava a história da rainha de Jhansi.  Na época colonial, quando os britânicos andavam capturando todos os reinos do subcontinente, a rainha Lakshmibai defendeu o seu território corajosamente.  Virou um símbolo não só da resistência indiana contra os britânicos, mas também da poderosa mulher indiana.

Na audição, a Janet me deu umas cenas para interpretar, com diálogos em hindi e em inglês.  No dia seguinte, ela me ligou – disse que eu tinha atuado bem tanto em hindi como em inglês, e me ofereceu o papel!

Depois de falar da minha remuneração, fui assinar o contrato.  Eu tinha que reservar vinte dias por mês para a produção – era um papel grande!

Assinei o contrato – mas acabei não fazendo aquele papel.  O que aconteceu?

As produções dos grandes filmes de Bollywood geralmente são muito profissionais – mas às vezes as produções das novelas são um pouco desorganizadas.  Existe falta de comunicação entre os diferentes departamentos.  E as coisas andam muito rápido – às vezes, o que aparece na TV foi escrito só 24-48 horas antes pelo roteirista!  Neste tempinho, a cena foi mandada para o diretor, filmada, editada, e já enviada para o canal para transmitir!  (Não é sempre assim, mas já vi acontecer várias vezes!)

Neste caso, a Janet tinha perguntado quando eu ia estar disponível e eu tinha falado que ia terminar as minhas aulas no final da semana seguinte.  Ela falou que estava bem – a minha personagem não ia aparecer na novela antes disso.  Mas quando eu liguei depois de terminar as aulas, soube que o plano tinha mudado e que a personagem já tinha entrado na história da novela, então tinham achado outro ator para aquele papel no último minuto.  Mas falaram que ainda gostavam da minha audição e que iam achar outro papel para mim.

Jhansi ki rani

Meu primeiro papel, na novela histórica ‘Jhansi ki Rani’

E acabaram achando dois! Filmei durante três dias em fevereiro, fazendo o papel de um oficial que acompanhava o governador britânico quando a rainha o matou em uma emboscada; ela me capturou também.  Depois, filmei durante seis dias em abril, fazendo o papel de um franco-atirador que a rainha da Inglaterra tinha mandado para a Índia para matar a rainha Lakshmibai de Jhansi.  Me deram dois looks completamente diferentes – inclusive um com bigode falso.  (E foi só o primeiro dos quatro diferentes bigodes falsos que eu acabei usando nos meus vários papeis em Bollywood – os indianos gostam de bigodes!)

E depois?

Mais detalhes sobre esses papeis vão ter que esperar outro dia, pois este post já está ficando muito longo.  Mas o importante é que eu gostei daquela primeira experiência.  Meu visto indiano venceu em abril, e eu decidi passar dois meses no Nepal e depois voltar para Mumbai em junho para procurar mais trabalho.

Voltei e tentei fazer mais contatos na indústria.  Não foi muito fácil sempre, mas ao longo dos anos seguintes eu acabei achando o suficiente de trabalho como ator, dublador, e até tradutor de roteiros.  Eu trabalhei em alguns dos filmes indianos mais esperados dos últimos anos, dublando vozes em filmes como Ra.One e Dhoom 3.  Eu conheci alguns dos atores mais famosos de Bollywood, como Rishi Kapoor e Preity Zinta.  E o mais importante, eu tinha muitas experiências únicas que eu nunca podia imaginar que ia ter.

Alem de informações sobre a cultura e o povo da Índia e relatos de viagem no país, de vez em quando vou contar mais neste blog sobre as minhas experiências vivendo e trabalhando na Índia – inclusive em Bollywood. Curta o Tudo Índia no Facebook para ficar sempre por dentro!



Sobre

Nasci nos Estados Unidos e vivi na Índia intermitentemente entre 2006 e 2014, em cidades como Ahmedabad e Mumbai. Atualmente moro em Minas Gerais. Já viajei em mais de 70 países, mas a Índia sempre vai ser muito especial para mim!

Publicado em Tudo Índia Marcado com:
11 comentários sobre “De Hollywood a Bollywood: Como eu acabei virando ator na Índia
  1. Dinesh disse:

    Gostei muito de saber sobre vc e sua historia.

  2. Alex disse:

    Que bom, Dinesh! Fique acompanhando o blog, pois tenho muitas outras histórias para contar! 🙂

  3. Camila disse:

    Muito bom o seu blog Alex.
    Eu assisti ao filme ‘Shuddh Desi Romance’ nos cinemas, e não sabia que era um brasileiro que fez o papel do estrangeiro que é passado para trás na hora de comprar os lenços (“feitos por orfãs do Afeganistão – acho que era este o País). Hahaha.
    Lembro que adorei esta parte do filme, por ser bem a realidade em Jaipur. Eu moro na Índia desde 2013, e com certeza vou passar sempre por aqui, para ler as suas aventuras.
    Abraços.

    • Alex disse:

      Oi Camila, obrigado por ler… Dei uma olhada no teu blog tambem, parece legal! 🙂
      Mas na verdade não sou brasileiro 😉 Sou casado com uma brasileira e moro em BH, mas nasci e cresci nos Estados Unidos!
      E foi Afeganistão sim, hehe… Acho que essa cena mostra a realidade em todas as cidades turísticas de Rajasthan… :p

      • Camila disse:

        Nossa! Por encontrar sobre você no grupo ‘Brasileiros na Índia’, e por você escrever tão perfeitamente em português já fui deduzindo que era brasileiro. 🙂
        Parabéns pelo blog.

  4. Lila Lopes disse:

    Desde que Dani embarcou nessa grande aventura pela ásia com você, que venho acompanhando as postagens compartilhadas no face dela e estou encantada com a grandeza dos lugares que vocês tem visitado. Inclusive sua história de vida é inspiradora. Abraços pra você e Dani!

  5. Danny Ribeiro disse:

    Não sei como dizer isso mas, você fez/faz tudo que eu tenho sonho em fazer. Morou em LA, já viajou para diversos países, fala Hindi e Inglês, já viveu na India, conhece tudo tão bem, é ator, trabalhou em Bollywood (omg), esteve perto de trabalhar em Hollywood (ou já até teve algum contato), já conheceu atores indianos famosos, teve até aula de atuação com um (omg2).. só falta você dizer que tomou ‘chai’ com o SRK kk Sério cara, não sei se apesar de todas suas conquistas e experiencias você passou por dificuldades, mas você tem uma vida dos sonhos, pelo menos ao meu ponto de vista. Eu queria ser aventureira assim como você. Conhecer vários lugares, ter experiencias com culturas diferentes. Trabalhar em Bollywood ou Hollywood (ou ter um pequeno contato com esses ‘mundos’) kk Mas quem sabe um dia.. Eu só tenho 17 anos e se Deus quiser ainda tenho muita coisa para viver. E tomara que eu tenha muita coragem, determinação e sorte como você kk Ah, e parabéns pelo seu blog. Ele é maravilhoso. Aprendi muita coisa sobre a India graças a você, pois escreve muito bem e tem muito conhecimento. Eu sou uma recente fã da cultura Indiana.. Amo os filmes, as músicas, as roupas, os atores (principalmente o SRK e a Kajol) e também admiro muito as tradiçoes dele. Espero muito um dia ter um contato direto. Você, hoje, ocasionalmente, me ajudou a entender e conhecer muita coisa. Obrigado. E adorei ler um pouco sobre sua história de vida. (salvei seu blog nos meus favoritos pra quando eu precisar kk) Desculpa por esse enorme texto, ator de Bollywood 🙂 Deus te abençoe.

    • Alex disse:

      Oi Danny, muito obrigado pela mensagem! Estou feliz que você está gostando! Bom, não é sempre fácil, passei por muitas dificuldades ao longo dos anos, mas eu também acho a minha vida interessante, hehe 🙂 Nunca se sabe o que vai acontecer na vida, tudo isso nem estava nos meus planos! (Não sei se você viu, mas tem um pouquinho mais da história aqui: http://tudoindia.com.br/sobre-o-alex/ ) Pois espero que você consiga viver seus sonhos – e outras coisas incríveis que você nem está sonhando agora!

      E nunca tomei chai com o SRK – na verdade, perdi minha melhor oportunidade para conversar com ele pessoalmente porque ele chegou tarde para a filmagem e não deu tempo para filmar a minha cena com ele! Filmaram outras cenas depois dele chegar, e eu estava lá só esperando, mas nem fui falar com ele. Tomei o meu chá em um camarim, e ele em outro :p … Adiaram a filmagem da minha cena para o dia seguinte, mas eu já tinha aquele dia reservado para a filmagem de outra produção, aí botaram outro ator no meu lugar no outro dia. (Esse não foi para um filme; foi para uma propaganda de uma marca famosa indiana.)

      A outra conexão que tenho com o SRK é que uma das personagens que eu dublei para o filme Ra.One (na versão original) tem diálogos com a personagem dele, e sempre acho engraçado ouvir a minha voz interagindo com a voz dele (a voz do anão assaltante é minha, se você viu o filme)… 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.