O Templo de Lótus

templo de lótusO Templo de Lótus (“Lotus Temple”) em Nova Délhi é um templo como nenhum outro na Índia – e não só por sua forma única.  Neste post, vou explicar porque o Templo de Lótus é um lugar tão especial e diferente, além de dar dicas práticas para uma visita.

A fé Bahá’í

Primeiro, é importante notar que o Templo de Lótus não é um templo hindu.  É um templo de uma religião chamada Bahá’í.  Esta religião não é indiana – nasceu na Pérsia nos anos 1800, e hoje em dia tem seguidores no mundo inteiro (até alguns no Brasil).  No centro de informações do templo, tem panfletos e livros em dezenas de línguas, inclusive português.  Reproduzo aqui a descrição da fé Bahá’í do panfleto que disponibilizam em português:

A Fé Bahá’í é uma religião mundial independente, divina na sua origem, global no seu propósito, abrangente no seu aspecto, científica no seu método, humanitária nos seus princípios e dinâmica na influência que exerce nos corações e mentes do homem.  Ela defende a unidade de Deus, reconhece a unidade de Seus Profetas e inculca o princípio da unicidade e indivisibilidade de toda a raça humana.

A palavra criativa de Deus, em cada revelação, é entregue à humanidade por intermédio de Seus Profetas e Mensageiros.  As três Figuras Centrais da Fé Bahá’í são o Báb (1819-1850), Bahá’u’lláh (1817-1892) e ‘Abdu’l-Bahá (1844-1921).

O panfleto conta as histórias dessas três figuras, que eu não vou contar aqui – o importante é que a unicidade da humanidade, a investigação independente da verdade, e a origem comum de todas as religiões são entre os princípios mais importantes da religião.  Assim, os templos Bahá’ís são espaços que convidam os povos de todas as religiões e raças a sentarem juntos em um ambiente de paz e meditação.

As “Casa de Adoração” Bahá’í e o Templo de Lótus

A religião Bahá’í tem sete “Casas de Adoração” em sete regiões diferentes do mundo.  A mais nova é o chamado “Templo de Lótus” em Nova Délhi.

IMG_04711

O projeto foi “inspirado na flor do lótus, flor extremamente bonita e símbolo de pureza que está inseparavelmente associada à adoração e à religião na Índia.”  O Templo de Lótus tem nove lados, igual os outros seis templos Bahá’í – pois nove “é o dígito mais elevado e simboliza o todo, a unicidade e a unidade.”

Dentro do Templo de Lótus (como todos os templos Bahá’ís), às vezes tem leituras das escrituras sagradas da religião – mas fora desses momentos, todos são bem-vindos para meditar e orar em silêncio.  Não são permitidos nenhum tipo de palestras, rituais, etc.

Este espaço de paz é especialmente valioso em um lugar como a Índia, em uma cidade como Délhi.  Parece um mundo aparte do caos que reina em bairros como Velha Délhi ou Paharganj, por exemplo.  O templo também é rodeado por jardins tranquilos com muitas flores.

IMG_0462

Então, mesmo para quem não é uma pessoa “espiritual”, o Templo de Lótus é um ótimo lugar para escapar da loucura da Índia por um tempinho, para relaxar em paz, e para simplesmente sentar em lindo silêncio com os seus pensamentos.  Sim, é bonito do lado de fora – mas o ambiente dentro do templo também é muito legal – e diferente de todos os outros templos que um viajante pode visitar na Índia.

Dicas para visitar o Templo de Lótus

O Templo de Lótus está aberto para visitas das 09:00-19:00 de abril até setembro, e das 09:30-17:30 de outubro até março.

É possível chegar no Templo de Lótus de metrô – pegue a “Violet Line” (linha violeta) até a estação “Kalkaji Mandir”.  Já é possível ver o templo desde o trem, antes de chegar nessa estação – e tem até uma vista boa do templo da plataforma da estação mesmo!

IMG_0412

Saindo do metrô, o caminho para o templo já vai ser mais ou menos claro – pegue a avenida que passa cruzando abaixo da linha do metrô, e você vai chegar direto na entrada do templo.

Também é possível chegar de auto-rickshaw ou táxi – mas não posso imaginar porque você poderia querer lidar com os motoristas desonestos, quando Délhi tem um metrô eficiente, moderno, e barato!  (Leia mais sobre o uso desse meio de transporte na nossa página sobre o transporte local na Índia.)

Na portaria, revistam todas as bolsas.  Não é permitido entrar com nenhum tipo de comida – então não leve comida na sua bolsa (vai ter que comer ou jogar antes de entrar!)  É permitido entrar com câmera e tirar fotos do lado de fora do templo, dos jardins, etc. – só não é permitido tirar fotos dentro do templo.

Antes de entrar no templo, alguém vai falar para você desligar o celular, não tirar fotos dentro, manter o silêncio, etc.  Depois disso, você pode entrar e sentar em silêncio o tanto de tempo que você quiser (uns minutos, umas horas…)

Como mencionado acima, o templo tem um centro de informações (em frente); entre lá se você quiser mais informações sobre o lugar e a religião (disponível também em português).

IMG_0458

Para fechar este post com um pouco mais das ideias da religião Bahá’í, aqui são as palavras do Bahá’u’lláh – o “prometido” da religião – que aparecem no panfleto que o templo fornece:

“Ninguém se deve orgulhar por amar o seu próprio país, antes deverá ter orgulho por amar o mundo inteiro.  A terra é um só país, e a humanidade os seus cidadãos.”

Sobre

Nasci nos Estados Unidos e vivi na Índia intermitentemente entre 2006 e 2014, em cidades como Ahmedabad e Mumbai. Atualmente moro em Minas Gerais. Já viajei em mais de 70 países, mas a Índia sempre vai ser muito especial para mim!

Marcado com: , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.